Quais são os equipamentos do mergulho técnico? - OceanHub
Quais são os equipamentos do mergulho técnico?

Quais são os equipamentos do mergulho técnico?

Em artigo anterior, apresentamos quais as principais subdivisões de treinamento do Mergulho Técnico. Chegou a hora de conhecer os equipamentos mais comumente utilizados para prática da atividade.

De acordo com o curso escolhido e o nível de treinamento do aluno, haverá exigência de equipamentos específicos. No entanto, uma grande vantagem do Mergulho Técnico é que a configuração dos equipamentos é feita de forma bem lógica e com o intuito de fornecer o maior nível de segurança possível ao mergulhador.

As configurações utilizadas, hoje em dia, são resultado de erros, acertos e anos de testes por mergulhadores espalhados mundo afora, até alcançarmos um equilíbrio entre o que é realmente necessário e a segurança do mergulhador. A maior parte dos equipamentos é usada em todas as diversas modalidades da atividade.

Quais são os equipamentos técnicos de mergulho?

Em relação ao Mergulho Técnico podemos basear a configuração do equipamento em duas pilastras mestras:

  • Utilizar apenas o necessário. O excesso deve ser evitado sempre.
  • Redundância que ofereça segurança.

Uma característica muito importante dos equipamentos técnicos é que eles são compatíveis com a maioria das modalidades existentes na atividade. Diferentemente do mergulho recreativo onde é comum a necessidade de aquisição de novos equipamentos a cada novo curso que se realiza. Um exemplo clássico para elucidar o que estou afirmando: no Curso Open Water Diver PADI (primeiro nível) é comum que o aluno possua máscara, snorkel e nadadeiras. No próximo nível de treinamento – Advanced Open Water Diver PADI – normalmente são exigidos ainda lanternas e bússola.

Dentro dessa filosofia, os equipamentos de Mergulho Técnico apresentam um grande diferencial em relação ao usados no âmbito recreacional. Dentre eles podemos citar os mais importantes:

Cilindros

Quais são os equipamentos do mergulho técnico?

Na maioria das vezes, mas não é regra, devido ao maior tempo de imersão exigido no Mergulho Técnico, são utilizadas duplas de cilindros ou cilindros de maior capacidade. O uso mais comum no âmbito recreacional é o cilindro de alumínio (padrão S80). No mergulho técnico é muito comum o uso de cilindros de aço de 15 litros ou 18 litros e, na maioria das vezes, eles são usados em duplas. Neste segundo caso, as duplas são interligadas através de um sistema de válvulas denominado “manifold”. Tem se intensificado o uso de cilindros fixos ao lado do corpo do mergulhador em uma modalidade denominada Sidemount.

Reguladores

São usados reguladores balanceados e de alta performance que permitem um menor esforço respiratório ao mergulhador. Normalmente a configuração e tamanho das mangueiras é customizada, de acordo com o equipamento e porte físico do usuário, possibilitando assim, mantê-las junto ao corpo e evitando excessos e possíveis enroscos. É normal o uso de uma mangueira longa (média de 2,10 metros) junto ao segundo estágio principal, facilitando o fornecimento de gás a um membro da equipe em caso de emergência.

Regulador – Posto Direito: composto de um primeiro e segundo estágio de alta performance, uma mangueira de baixa pressão longa (média de 2,10 metros) e uma mangueira de colete de tamanho customizado.

Devido ao seu tamanho, a mangueira do segundo estágio é posicionada em volta do corpo e pescoço do mergulhador e “ancorada” abaixo da lanterna ou na cinta abdominal. Em caso de emergência é o segundo estágio do posto direito que será fornecido ao membro da equipe que estará necessitando de gás.

Regulador – Posto Esquerdo: composto de um primeiro e segundo estágio de alta performance, preferencialmente do mesmo modelo do posto direito, uma mangueira de baixa pressão de tamanho customizado, uma mangueira de alta pressão de tamanho customizado e manômetro. Enquanto as misturas usadas no treinamento não forem TRIMIX, no caso de uso de roupa seca, a mangueira da roupa pode estar conectada neste posto, possibilitando, assim, redundância de “lift” no caso de pane do posto direito. No caso de uso de misturas TRIMIX a mangueira da roupa seca deve estar conectada em um cilindro reserva com ar ou argônio.

Regulador de stage: composto de um primeiro e segundo estágio de alta performance, preferencialmente com conexão do tipo DIN, um manômetro e uma mangueira de alta pressão de tamanho customizado. Já existe hoje no mercado manômetros que são conectados diretamente ao primeiro estágio.

Máscaras

É fundamental o uso de duas máscaras. Uma principal e outra reserva.

Bolsos Tec

Para guarda da máscara reserva, spool, pranchetas e lanternas, uma vez que os coletes ASA, normalmente, não possuem bolsos. Podem estar acoplados às roupas ou podem ser escamoteáveis.

Lanternas

São utilizadas três lanternas. Uma principal e duas secundárias. As mais usadas como primárias são as do tipo cânister que possuem uma cabeça de luz e uma bateria acondicionada em uma caixa estanque. As secundárias, normalmente são do tipo bastão devido ao reduzido volume e facilidade de configuração junto ao equipamento. Com o avançado da tecnologia as lanternas bastão vem ganhando espaço.

Asas

Para dar sustentabilidade ao maior peso do equipamento, ao invés do tradicional colete jacket usado no mergulho recreativo, no Mergulho Técnico são usadas coletes tipo Asa. Estes podem ser utilizados em conjunto com “back plates” e sistemas de arreios para fixação, ou o sistema “harness”. No primeiro exemplo é utilizada uma placa de metal (“back plate”) para fixação e suporte do(s) cilindro(s), no segundo a placa é substituída por um sistema mais confortável, porém muito resistente. Mais atualmente (meados de 2006), surgiram Asas que utilizam o conceito “off the rack” que permite múltiplas configurações (cilindros simples, cilindros duplos e sidemount) em um mesmo sistema.

Carretilhas

Muito usadas nos mergulhos em caverna, naufrágio, gelo e profundo. Podem ser classificadas em principal e secundárias. As principais são carretilhas que suportam mais cabo em seu carretel (média de 130 metros, mas podem chegar a 300 ou até 500 metros) e são usadas, normalmente, para penetrações em cavernas, naufrágios e gelo. As secundárias (de porte menor – normalmente 30 ou 50 metros) são usadas como cabo de ligação e lançamento de “deco marker/lift bag”. O número de carretilhas secundárias depende do tipo de mergulho a ser realizado (muito comum o uso do tipo “spool”).

Roupas

Na maioria das vezes, devido ao longo tempo de exposição ao frio, o Mergulho Técnico exige o uso de roupas que ofereçam maior proteção térmica como as roupas semi-secas ou secas. No segundo caso é normal o uso, por baixo da roupa, de macacões, denominados “undergarments” e também um sistema de injeção de gás (ar ou argônio) dentro da roupa. Tudo isso para uma maior proteção térmica para uso em águas frias ou longos períodos de mergulho. O uso do capuz é comumente necessário.

Nadadeiras

É comum o uso de nadadeiras abertas com molas ao invés de tiras, palas de menor porte e com sistema de propulsão com maior eficiência.

Facas

As fixadas nas tiras de ombro, cintura ou braço, normalmente, são as mais utilizadas do que as de pernas. Devem possuir bom corte, inclusive serrilhados para qualquer tipo de cabo. Muito comum o uso de Z-knifes ou tesouras para corte de linhas.

Computadores

Com o avanço da tecnologia os computadores de mergulho tem apresentado cada vez mais funções. Controlam limites não descompressivos (LNDs), paradas de descompressão, permitem o uso de múltiplas misturas durante a imersão, informam o consumo de gás, etc. O importante é ter uma ferramenta compatível com o mergulho a ser realizado. A redundância é fundamental, por isso o uso de dois computadores é primordial.

Deco Markers e Lift Bags

Usados para auxílio nas descompressões fixas ou a deriva, como redundância de flutuabilidade e sinalizadores de superfície.

Wet Notes e Wrist Table

Pranchetas de escrita subaquática para anotações, comunicação e consultas do planejamento do mergulho.

Mosquetões

Usados para fixação de equipamentos, tais como: segundo estágio principal (quando não está sendo utilizado), lanternas, manômetro, carretilhas, decomarker, stages, etc. Devem se adaptar ao tamanho da mão do mergulhador, não permitirem enrosco de cabos e suportar o peso do equipamento.

Caso tenha alguma dúvida ou curiosidade sobre os equipamentos pode entrar em contato que estarei a disposição para ajudar.

 

Alberto Maia

Quem é o autor deste artigo?

Joe Botero é IDC STAFF PADI e TEC INSTRUCTOR por 5 agências internacionais. Formado em Ciências da Computação e Pós Graduado em Administração de Empresas. Fundador e Diretor de Cursos do Centro de Mergulho Amigos do Joe, de São Paulo. Possui larga experiência em educação e treinamento subaquático com mais de 14.000 alunos formados ao longo de 36 anos de instrução de mergulho em 74 modalidades distintas.

Leia todos os artigos deste colunista.



Publique um comentário

10 − dez =